22 agosto, 2014 |Notícias, Saúde bucal |Nenhum comentário
Enviar por e-mail

Como acabar com o mau hálito

A halitose, popularmente conhecida como mau hálito, incomoda em diversos aspectos, principalmente os sociais, pois evita a interação com outras pessoas e até mesmo com o parceiro. Muitos deixam de sorrir devido à baixa autoestima. No entanto, essa situação pode ser revertida com tratamento e cuidados diários.

Para Maurício Duarte da Conceição, cirurgião-dentista e autor do livro “Bom Hálito e Segurança! Metas Essenciais no Tratamento da Halitose”, tão importante quanto tratar a halitose “é o paciente recuperar sua segurança e espontaneidade, mediante o tratamento das alterações de comportamento que, normalmente, são desenvolvidas por quem tem queixa desse problema”.

Ele explica que há dois tipos de halitose: bucal e extrabucal. “O primeiro é o mais comum, pois corresponde de 90 a 95% dos casos. Ocorre, principalmente, devido a uma placa esbranquiçada que se forma no fundo da língua, chamada saburra lingual, e também a doenças da gengiva, como gengivite e periodontite”, explica.

Outras causas bucais que podem alterar o hálito são os abscessos, restaurações ou próteses mal adaptadas, cáries grandes, abertas e extensas. “Porém, em proporção bem menor que a saburra lingual e doenças gengivais”, destaca o especialista.

O segundo tipo, extrabucal, é mais raro. “De 3 a 5% desses casos são decorrentes de alterações nas vias aéreas superiores, e o paciente é encaminhado a um otorrinolaringologista. Os problemas mais internos no organismo representam apenas 1% do total e, quando constatada a origem, um médico especialista ou um bom clínico geral deve ser procurado.”

Cuidados bucais

Para combater a halitose bucal, é preciso consultar um cirurgião-dentista especializado, que ensinará a forma correta de escovar os dentes e a usar o fio dental, além de uma técnica de limpeza da língua adequada a cada caso. “Existem pacientes que sentem muita ânsia durante a higiene ou têm a língua presa, fatores que dificultam a limpeza”, diz.

“Essa rotina de higiene controlará as principais causas, mas deve ser executada diariamente para a halitose não se manifestar”, completa.

Em casa, é preciso:

  • Higienizar os dentes, gengiva e língua;
  • Evitar ficar mais do que quatro horas sem se alimentar;
  • Ingerir ao menos dois litros de líquidos por dia, preferencialmente água ou sucos;
  • Não consumir em excesso alimentos que alteram o hálito: alho e cebola crus ou fritos, carnes gordurosas como o salame, mortadela e linguiça, entre outros.

Para se ter certeza do problema, saber a causa e resolvê-lo, deve-se procurar um profissional capacitado para ser guiado nesse processo. Os sites www.abha.org.br ou www.mauhalito.com indicam alguns cirurgiões-dentistas em todo o Brasil que são especializados em tratar a halitose.

Enviar por e-mail

Comentários

APOIO: