13 novembro, 2015 |Saúde bucal |Nenhum comentário
Enviar por e-mail

É possível reduzir o tempo do tratamento ortodôntico?

Você conhece alguém que deixou de usar aparelho por não ter paciência para finalizar o tratamento? Uma das grandes dificuldades do tratamento ortodôntico é o tempo total de duração, que se estende, em média, por dois anos. A indisposição de usar o aparelho por tempo prolongado é o que faz muitas pessoas desanimarem e não buscarem o ortodontista, mesmo quando têm necessidade.

Para encurtar o tratamento convencional, existem os métodos da chamada Ortodontia acelerada, como o uso de medicação, os aparelhos que provocam estímulos e as técnicas associadas à cirurgia. Conheça um dos métodos mais utilizados.

Corticotomia

“É um procedimento cirúrgico que é feito para auxiliar o tratamento ortodôntico tradicional”, esclarece Mauro dos Santos Picchioni, especialista e mestre em Ortodontia. No passado, a corticotomia era utilizada apenas em áreas muito específicas onde havia dificuldade de remodelação. Nos últimos 30 anos, no entanto, há uma proposta de se fazer a corticotomia de maneira generalizada em volta de todos os dentes, para que os movimentos sejam mais fáceis e rápidos.

“Quando se faz a corticotomia e se provoca essa “agressão” ao osso, ele passa por um processo de cicatrização como se fosse uma fratura. Com isso, o metabolismo é ativado e a taxa de remodelação óssea se altera”, explica Mauro. Ou seja, dependendo da complexidade do caso, a maior vantagem da corticotomia é a aceleração do tratamento.

E de quanto seria esse tempo? “Existe um ganho muito rápido nos primeiros 6 meses, e se o tratamento consegue ser bem efetivo nesse período, o paciente ganha de 25% a 50% de tempo”, explica o ortodontista. Com a cirurgia, um tratamento ortodôntico que demoraria pelo menos dois anos poderia ser feito entre 12 e 18 meses, por exemplo.

Um dos contrapontos da corticotomia é o fato de envolver um procedimento cirúrgico, que pode ser incômodo ao paciente e ter custos adicionais ao tratamento ortodôntico, pois precisa ser feito por um especialista em Periodontia.

Tempo versus qualidade

Para Mauro, tempo e qualidade não são fatores contraditórios no tratamento ortodôntico. “Existem ótimos tratamentos feitos em prazo curto, e péssimos feitos em prazo longo. E vice-e-versa. Se o diagnóstico é preciso, o planejamento adequado e a execução correta, o tempo é uma consequência. Há a necessidade desses três fatores serem alcançados sempre: é isso que faz um bom tratamento”, comenta.

Enviar por e-mail



Tags: , , ,

Comentários

APOIO: